Tuesday, April 04, 2006

Sede


Sede assim como o Sol do Deserto
Intenso, firme, completo, estéril
Revelando sempre seu ardor etéreo
Estejamos dele distante ou perto

Muito embora borboleta sejas
Em um suave casulo, doce crisálida
Preferes a forma, natureza árida
Neste mundo torpe de incertezas


Bela lagarta se assim pretendes
Em meu mundano modo de pensar
Não é possível alguém almejar
Nada sentir estando consciente

Porque dos males ainda o menor
E ser sensível é permanecer a prova
Conceber o mesmo de uma forma nova
Mas nada sentir é estar sempre só

2 comments:

Anonymous said...

AAAh!
Eu quero um poema no dia do meu aniversário também :D
Super talentosa você!
;*

dandara said...

dandara disse aí em, cima ¬¬